A CIDADE E SUA HISTÓRIA

A CIDADE E SUA HISTÓRIA

HISTÓRIA

Em 1850, o Vale do Rio Mogi Guaçu, já era habitado por muitos agricultores e alguns sitiantes e fazendeiros, que prosperavam com as lavouras de algodão, café e milho, alem da pecuária leiteira.
Aos poucos, o povoado foi se transformando em bairro, batizado de São José, tornando-se ponto de encontro dos moradores, comerciantes e viajantes.

Por volta de 1878, o recém batizado bairro São José passou por grande revolução, devido a chegada de dezenas de trabalhadores que construiriam a extensão da estrada de ferro de São José de Mogi Mirim a Nossa Senhora do Desterro da Casa Branca, que traria o progresso e facilitaria o transporte na região. 

No entanto, um imprevisto surgiu na construção da ferrovia: quando o assentamento dos trilhos chegou nas proximidades do Rio Oriçanga, os trabalhadores tiveram que superar uma área totalmente alagada. Assim, os homens foram obrigados a estivar, ou seja, entrar na lama com galhos, capim e folhas, marcando os locais mais adequados para o aterro, a fim de não alterar o percurso da ferrovia.

Do verbo estivar, nasceu o nome da estação de trem do bairro: ESTIVA

A ESTAÇÃO

A estação foi inaugurada em 1887; o Almanach da Provincia de S. Paulo para 1887 já citava a estação de Estiva em sua tabela de horários. Com o fim da construção, a produção agrícola ganhou impulso, o que contribuiu para que o bairro se tornasse fornecedor de matéria-prima (argila) para as pequenas industrias de cerâmica da região.

Almanach da Provincia de S. Paulo para 1887

"A estação foi presente à Directoria uma representação de diversos Fazendeiros e Negociantes de Espirito Santo do Pinhal, pedindo o estabelecimento de uma estação no lugar denominado - Estiva - entre Mogi-Guassu e Matto Seco, e resolvemos tomar deliberação final sobre esse pedido, depois que examinarmos o local, e com perfeito conhecimento de causa pesarmos as vantagens, que para a Companhia e para o Publico possam ou não vir da creação dessa estação" (relatório da Mogiana, 1878).

              A estação ainda em funcionamento - meados de 1960/1970             

Após a construção da estação, chegou ao local o Sr. Lourenço Gerbi, que, juntamente com sua família, construiu uma pequena cerâmica de manilhas, acabando por ser o responsável por transformar o bairro São José, já conhecido como Bairro do Estiva, em um Distrito Industrial próspero. Utilizando muita criatividade para superar a ausência de energia elétrica, aliada à escassez de mão de obra, Lourenço construiu várias casas ao redor da indústria, dando moradia e assistência aos trabalhadores e seus familiares.

Após superar muitas dificuldades, chega a energia elétrica em 1948, e com ela a prosperidade: novos maquinários foram instalados, o que resultou no aumento da produção. O progresso da Indústria da Cerâmica Gerbi atraiu novos investimentos para a região, e, com ele, o crescimento do desejo de emancipação, sonho que se tornou realidade em 19 de maio de 1991, após a realização de um plebiscito em que 95% dos eleitores votaram pela autonomia completa.

Criado o município, as primeiras eleições foram realizadas em 15 de novembro de 1992, ocorrendo a posse dos eleitos em 01 de janeiro de 1993. A cidade foi batizada de ESTIVA GERBI em homenagem a família de Lourenço Gerbi, e aos trabalhadores e estivadores que construíram a estação de trem, que muita prosperidade trouxe.

Mantendo as características de cidade pequena, com uma administração dinâmica e vocacionada em acreditar no futuro da cidade, Estiva Gerbi tem se destacado após a conquista do Titulo de Município de Interesse Turístico (MIT) PL 374/2017, que eleva sua posição entre as cidades vizinhas da região da Baixa Mogiana com seu valor culturalmente ecumênico, e atrai centenas de fiéis devido as famosas celebrações religiosas, juntamente com sua gastronomia caipira, uma feira noturna gastronômica regional que recebe milhares de visitantes todas quartas feiras e seus pesqueiros que levam turistas a visitarem o município afim de desfrutarem de sua gastronomia e realizarem as atividades de pesca.

Fonte: www.estacoesferroviarias.com.br